jusbrasil.com.br
28 de Março de 2020

Bullying na escola: mesmo depois da criação da lei ele continua sendo um problema

Depois da criação da lei do combate ao bullying, a violência continua presente na escola.

SLM Advogados
Publicado por SLM Advogados
há 3 anos

Bullying na escola mesmo depois da criao da lei ele continua sendo um problema

Em novembro de 2015, foi instituída a lei do Programa de Combate à Intimidação Sistemática (13.185/15), mais conhecida como Lei do Bullying. A ideia era tomar ações que impedissem a disseminação da violência na escola, mas ela ainda não parece estar dando os resultados esperados.

De acordo com uma pesquisa feita pelo IBGE, o número de crianças que sofrem bullying na escola está aumentando. Em 2014, 35,3% dos estudantes afirmou que já sofreu algum tipo de intimidação ou humilhação pelos colegas. Em 2015, esse número aumentou para 46,6%.

Os números são especialmente preocupantes com adolescentes LGBT. Em pesquisa feita em seis países da América Latina, incluindo o Brasil, a Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2016 descobriu que 73% dos estudantes LGBT brasileiros sofrem bullying, e que 36% já apanharam na escola. Mais de um terço desses jovens acha que a escola é ineficaz para evitar agressões.

Esse cenário deveria ter mudado com a aplicação da Lei do Bullying, no ano passado, mas de acordo com especialistas, “a implementação da lei é demorada e falta capacitação de educadores para lidar com o problema”.

O projeto definiu que docentes e equipes pedagógicas fossem equipados com as ferramentas necessárias para prevenir e solucionar casos de bullying, assim como pretende orientar pais e familiares para as formas de identificar vítimas e agressores.

Para o deputado Efraim Filho (DEM-PB), autor da redação final do projeto de lei, o combate ao bullying requer uma mudança cultural, e isso não ocorre de forma imediata.

Fonte: Universia

11 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Não faz sentido algum achar que a mera criação de uma lei resultará em um objetivo, se a lei não prevê sanção ou se a sanção não é aplicada. Ora, se no Brasil adolescentes agridem professores com a absoluta certeza de impunidade, por que a criação de uma lei, de fato, não sancionatória diminuiria agressão entre seus pares? continuar lendo

Realmente . A simples criação de uma lei não muda a mentalidade humana . O que muda é a educação , a criação , convívio familiar e social . Atualmente no Brasil , acham que a mentalidade do povo pode ser mudada com leis , o que não é verdade . continuar lendo

Acho que há condutas que precisam ser objeto de intervenção estatal, mas estas não devem ser a regra. Mas quando se resolve intervir por ser necessário, deve-se de fato atuar, e não criar lei a fim de dissuadir determinada conduta sem qualquer sanção. É absolutamente inócuo. continuar lendo

Como coibir algo sem uma punição? Bem, é basicamente isto o que esta lei quer. continuar lendo

Essa lei é piada, apenas diz o que é bullying, como se já não soubéssemos hahahahah enquanto não punir, não acaba. continuar lendo

Penso que o que aumenta é a divulgação do bullying. Antes, as pessoas eram vítimas e não falavam nada. Hoje se sentem um pouco mais seguras para expor o seu sofrimento.
Existir uma lei não é sinônimo de dar cumprimento a essa lei, como sabemos em relação a todas as leis do nosso País.
Aliás, infelizmente, no nosso País o que mais falta é dar cumprimento às leis. continuar lendo